Cortina Rasgada

Corres desalmada,
Despida, devassada,
Choras lúcida,
Louca, mórbida,
Confias na sorte,
No caminho e no norte
Alheio, pérfido, no devaneio
Febril, infantil,
Na desculpa da vontade
Roubada à virgindade,
Na infâmia do amor
E na glória do meu terror.

Sou fénix decapitada
E tortura imaculada
Nos rituais ausentes,
Sou o perfume inerte
E a mágoa que se verte
Das minhas lágrimas indigentes.

E tu só és cortina rasgada
E vidraça estilhaçada
E mosca moribunda
E folha de jornal queimada
E arco, e funda,
E sabre, e espada,
E morte reencarnada.

Anúncios

~ por Rui Batista em 16 de Julho de 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: